quarta-feira, 29 de julho de 2015

Aos cuidados



Não há o inteiro,
Existo como fragmento,
A vida de um vaso que já foi derrubado tantas vezes que não se contam mais os pedaços
Remendado sempre faltando um pedaço,
Grande,
Miúdo,
Sempre um pedaço por faltar.

Mosaico de tantas aventuras e desventuras
Que me fazem irremediavelmente o que sou!
Nunca inerte,
Sempre algo a contar,
Uma cicatriz que ainda sangra.
A capacidade de assustar muito maior que a de socializar.

Uma imagem em cada caco de espelho que se espalha pelo chão,
Sou cada um deles...
Debaixo do sol,
Escondido da chuva,
Sentindo a brisa leve que acaricia meus cabelos,
A criança simplória que sonha em ser astronauta.

Ainda falta muito
Até que não sobre nada,
Muita cola e durepox ainda estão por vir.

Aos cuidados de um bom destino.



Diogo Ramalho

domingo, 12 de julho de 2015

Encantamento ou Lá no alto

Foi justo naquele momento que não sei bem precisar
Aconteceu o encantamento
E o poeta pois se a versar.
Era sua necessidade poetizar tudo que via,
Mas diante de tanta beleza não sabia o que escreveria em sua humilde poesia.

Poeta bobo, desajeitado, escrevendo muito pois seu mal costume é ficar calado,
A inspiração poética vai a loucura
E a casa se torna se torna pequena
Buscando a rua,
Parando hipnotizado
Olhando para o alto
Admirando a Lua!

Diogo Ramalho